Blog da Magda Vieira; Nutrição, Saúde e Bem-Estar

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Qual é a melhor hora para comer um doce?


Muitos responderiam: doce gostoso é bom comer a qualquer hora do dia!!

Mas… não é bem assim! Vamos entender o que acontece no nosso corpo quando comemos um doce.

O açúcar, ingrediente principal dos doces, se transforma em moléculas de glicose que circulam pelo sangue. Assim, quando comemos um doce de leite, por exemplo, o nível de glicose no sangue, isto é, a glicemia, aumenta. Este pico de glicemia é um alarme para a insulina, que é o hormônio que vai abrir a porta das células para permitir a entrada da glicose. Resultado: após o doce, vem a insulina que rápida e agilmente, “guarda” toda a glicose dentro da célula. Muito doce, muita glicose, muita insulina.

Quando comemos o doce em jejum ou no intervalo das refeições, a insulina está quieta no seu canto, “repousando”, então ocorre uma subida muito rápida da glicemia. Isso “desperta ” a insulina que, rapidamente, chega em grande quantidade para fazer seu “trabalho” e guardar a quantidade de açúcar ingerida. Consequência: a glicemia cai rapidamente e ficamos com fome de mais doce. Faz-se um ciclo que não é bom para o organismo.

A hora ideal para comer um doce, portanto, é logo depois das refeições. Quando ingerimos a sobremesa logo após o almoço ou o jantar, a insulina já está naturalmente “acordada” e trabalhando. Por isto, não provocamos nenhum pico, pois já tem muita glicose para guardar.

Não desperte picos de insulina em seu organismo. A vida pode ficar bem menos doce depois. Ou sem nenhum doce.

Fonte: Site Dra Ana Escobar

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Importância das frutas para as crianças


As frutas são ricas em vitaminas e fibras essenciais para o desenvolvimento. As fibras têm um papel importante para o funcionamento do intestino. As crianças devem comer de 2 a 3 porções de frutas por dia. As sobremesas, os lanches e os sucos podem ser ótimas oportunidades para cumprir esta meta. Importante: evite colocar açúcar, principalmente nos sucos. Muitas frutas já são doces. Habitue o paladar desde cedo. Uma dica: convide a criança a participar da escolha da fruta no mercado e depois convide-a para prepará-la em casa. Isto pode virar uma brincadeira que incentiva hábitos saudáveis.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Três razões para comer batata doce


1. É uma excelente fonte de energia para quem faz exercícios físicos

A batata doce é um carboidrato de alto valor energético que possui muitas fibras. Por isso, a glicose é liberada lentamente, evitando um pico indesejável de insulina. Resultado: ficamos com um nível de glicose no sangue mais baixo e ainda além disso, por um tempo bem mais prolongado. Por isso, se você vai treinar ou praticar esportes, uma boa dica é comer uma batata doce cozida mais ou menos 40 minutos antes de iniciar sua atividade física. Energia total!

2. Diminui o apetite e dá a sensação de saciedade

Como a glicose é liberada mais lentamente e por um tempo mais prolongado, não temos a sensação de fome depois de comer batata doce. Por isso é um bom alimento para ajudar no controle o peso. Mas atenção! Procure orientação profissional para não extrapolar suas necessidades diárias.

3. É uma fonte de vitamina A

Vitamina A atua como antioxidante, ou seja, ajuda a “limpar” as células de substâncias indesejáveis. Por isso, a batata doce é importante para o sistema imunológico que é o responsável por nos defender de agentes agressores.

Pode ser cozida, assada, na forma de purê ou do jeito que você imaginar. Escolha sua receita e gaste a energia da batata doce saudavelmente!

Fonte: Site Dr Ana Escobar

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Espinafre é aliado contra o câncer e protege o cérebro


O marinheiro Popeye foi o garoto-propaganda do espinafre nos desenhos animados. Após engolir uma porção da verdura, ele se tornava invencível e era capaz de salvar a Olivia Palito do vilão fortão Brutus. Certamente Popeye foi muito saudável também, evitando as mazelas do envelhecimento e de doenças provenientes de uma dieta pobre em bioflavonoides e muitos outros nutrientes encontrados no espinafre. Pesquisas recentes têm destacado como estes nutrientes funcionam para proteger a nossa saúde. 

Nitroglicerina nutricional

O espinafre é um dos alimentos mais nutritivos presentes na natureza, com poucas calorias e muitas vitaminas. Uma xícara de espinafre cozido no vapor contém meras 40 calorias, e quase todo o manganês e folato que o seu corpo precisa diariamente. O espinafre contém mais proteínas do que outras hortaliças e um alto teor de fibra, o que ajuda a desintoxicar e limpar o trato intestinal.

Vitaminas e minerais

Ele é rico em ferro (importante para a oxigenação do sangue), cálcio, magnésio e potássio, participam da formação dos ossos e dentes, saúde muscular e prevenção de câimbras. Também é fonte de vitaminas: A (olhos e pulmões), complexo B e ácido fólico (energia e crescimento muscular), C (imunidade e resistência a infecções), E (protege o sistema cardiovascular) e K (coagulação e ossos fortes). Uma xícara da verdura cozida fornece toda a quantidade de vitaminas A e K que uma pessoa precisa por dia, e quase 40% de sua necessidade de magnésio. 

Energia, muita energia!

O espinafre é a mais rica fonte vegetal de coenzima Q10, um composto presente nas mitocôndrias, o centro de produção de energia das células. A CoQ10 reforça o sistema imunológico e é um antioxidante que neutraliza os radicais livres, o que contribui para a longevidade. Quem também soma para alavancar o vigor é o ferro presente no espinafre, parte fundamental de uma enzima (NADH) necessária para a produção de energia e melhora do metabolismo.

Antioxidantes anticâncer

O espinafre contém mais de uma dúzia de compostos flavonoides que trabalham juntos como antioxidantes para nocautear as células cancerígenas. Estes flavonoides neutralizam os radicais livres no corpo e ajudam a prevenir o câncer de ovário, mama, próstata e cólon. Os fitoquímicos presentes no espinafre afetam a sobrevivência de células de câncer e inibem a inflamação, que faz parte dos processos básicos do crescimento do câncer. 

Amigo do coração

O espinafre é um excelente promotor da saúde cardiovascular. Sua ação antioxidante ocorre através da vitamina C e do betacaroteno, que trabalham juntos em prol do coração e do sistema circulatório, impedindo a oxidação do colesterol. O colesterol oxidado é um perigo para o sistema cardiovascular, contribuindo para o endurecimento e estreitamento das artérias coronárias. Uma porção de espinafre contém 65% da necessidade diária de folato, que neutraliza a homocisteína, uma proteína nociva que aumenta a chance de enfartar. 
Cérebro poderoso

O combustível do marinheiro Popeye melhora o funcionamento cerebral e protege contra o envelhecimento prematuro dos neurônios, evitando os efeitos degenerativos da oxidação no cérebro. Os pesquisadores descobriram que se alimentar com espinafre ajuda a proteger o cérebro de danos dos radicais livres e do declínio da capacidade cognitiva relacionado à idade avançada. O alto teor de vitamina E da folhosa verde-escura também contribui para driblar a neurodegeneração cerebral. 
Antinutrientes

O espinafre contém substâncias bociogênicas, de ocorrência natural em alguns alimentos, e que podem interferir com o funcionamento da glândula tireoide. O cozimento ajuda a inativar estes compostos, e o consumo moderado não traz nenhum problema. 

O espinafre contém purina e um consumo exagerado (mais de três vezes por semana) pode levar ao acúmulo de ácido úrico no organismo de algumas pessoas. Gota e cálculos renais de urato são dois exemplos de problemas relacionados ao consumo excessivo de purinas. Para os que têm gota ou ácido úrico elevado ele é contraindicado. 

Espinafre apresenta também um nível considerável de oxalato. Quando oxalatos tornam-se excessivamente concentrados em fluídos corporais, eles podem se cristalizar e causar cálculos nos rins e vesícula. Pessoas com litíase devem evitar o seu consumo. Cozinhar o espinafre em água inativa uma boa parte do ácido oxálico. 

Ácido fítico - bom mocinho

Benefícios de saúde importantes têm sido associados com a ingestão de fitatos. Isso inclui a prevenção de calcificações patológicas (cálculos renais, cálculos dentários e calcificação cardiovascular) devido a sua ação inibidora da cristalização de sais de cálcio. O ácido fítico está presente em inúmeros alimentos como nozes diversas, amendoim, sementes, feijões, cereais, tubérculos e folhas verdes - esta é a forma com que os vegetais armazenam o fósforo, um mineral essencial para a produção de energia. Apesar de sua aparente desvantagem (redução da absorção de ferro e cálcio), o ácido fítico é semelhante em alguns aspectos a uma vitamina, e metabólitos do ácido fítico têm funções necessárias nas células. Os estudos sugerem que é o ácido fítico, presente no espinafre, em grãos integrais e feijões, que confere as propriedades protetoras contra doenças cardiovasculares, câncer e diabetes. Só para constar: os grãos com pouco ou nenhum ácido fítico são os refinados. 
Modo de usar

O espinafre é carregado com luteína, um grande aliado contra doenças oculares como a degeneração macular senil e a catarata, mas ele precisa ser consumido com uma fonte de gordura para aumentar a sua absorção, assim como da vitamina E. Espinafre cozido e temperado com azeite faz uma combinação perfeita. Outra opção é refogar as folhas (cozidas e espremidas para retirar o excesso de água) no azeite e alho amassado, depois temperar com gotas de limão e uma pitada de sal marinho. O ideal é sempre usar o espinafre cozido para neutralizar os antinutrientes presentes nele, e vale acrescentar em sopas, omeletes, quiches, etc. Prefira a versão orgânica, pois o espinafre costuma estar muito contaminado por agrotóxicos. A dose ideal é uma porção (uma xícara) uma a duas vezes por semana. O espinafre deve fazer parte de uma dieta equilibrada, composta por uma grande variedade de alimentos, sempre alternando legumes e hortaliças. Nenhum exagero é benéfico. Equilíbrio e diversidade alimentar, este é o caminho para a saúde.

Fonte: Site Minha Vida

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Dicas para diminuição do percentual de gordura


  • Acredite que pode atingir seu objetivo, e assuma as responsabilidades de sua decisão. 
  • Siga corretamente o plano alimentar. Em caso de dúvidas ou insatisfação retorne ao consultório. Não mude a prescrição por conta própria, pois os alimentos estão combinados especialmente para que você melhore seu percentual de gordura e ganhe saúde. 
  • Aproveite esta etapa para reeducar sua alimentação. Assimilar novos hábitos alimentares é fundamental para que você não volte a engordar e para que se livre do efeito sanfona.
  • Estabeleça etapas. Reduzir 10% do seu peso gordo já proporciona benefícios para a saúde do seu coração e diminui os riscos de desenvolver diabetes e hipertensão. 
  • Programe suas compras, e não vá ao supermercado sem antes se alimentar corretamente. Fazer compras com fome pode ser uma armadilha perigosa. Não tenha em casa os alimentos não recomendados pela sua nutricionista. 
  • Faça as refeições em horários determinados e com intervalos regulares entre elas. Não faça jejum e não pule nenhuma refeição. Isso vai aumentar a sua fome e você comerá mais na próxima vez em que se alimentar. Além disso, sua capacidade de queimar gordura diminui quando você fica longos períodos sem se alimentar. 
  • Procure a companhia de alguém que também queira emagrecer. Vocês podem dividir o prato, escolherem as opções menos calóricas e fazer atividade física juntos. 
  • Coma devagar. Mastigue bem os alimentos. Saboreie as refeições. Repouse os talheres no prato entre cada garfada. Mesmo quando terminar de se alimentar com a sensação de que poderia comer mais, após 20 minutos, em média, você perceberá a sensação de saciedade. 
  • Use e abuse das opções da lista de substituições. Um cardápio monótono pode enjoar você e levar a carência de vitaminas e minerais. 
  • Durante o preparo das refeições evite provar a comida. 
  • Para beliscar no intervalo das refeições, ou como opção de entrada consuma alimentos de baixo valor calórico: vegetais a palito e hortaliças com molhos magros, picles, gelatina diet, refresco em pó diet, chás e café com adoçante, limonada, suco de caju e de acerola com adoçante, refrigerante diet/ light, água com gás e limão, ou suco Del Valle maracujá light. 
  • Cada hábito adquirido não deve ser perdido. Você pode estagnar, mas não regredir!! 
  • Não coma fazendo outras atividades. Esteja atento às quantidades que você come. 
  • Pratique atividade física com orientação de um educador físico e após avaliação médica. Os exercícios diminuem a vontade de comer doce e aumentam os hormônios calmantes.
  • Movimente-se mais em suas atividades diárias: ande a pé, suba escadas, lave o carro, etc.
  • Diferencie a fome da vontade de comer. 
  • Livre-se do ciclo: ansiedade, que leva a refeições exageradas, as quais levam ao ganho de gordura, culpa e baixa auto-estima, o que aumenta mais a ansiedade. Aprenda a descontar sentimentos negativos em exercícios físicos e numa boa conversa com os amigos.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Mamão ajuda na digestão e melhora o trânsito intestinal


Frutas são uma delícia e todo mundo gosta. Que tal aprender um pouco mais sobre uma fruta fácil de ser encontrada e também muito fácil de ser cultivada em casas que tenham um pequeno quintal? Estamos falando do mamão. 

O mamão é rico em vitaminas A, que é boa para a visão, vitamina C, que é aliada da imunidade, e vitaminas do complexo B, importantes para o sistema neurológico. Além de apresentar ferro, que ajuda a prevenir a anemia, cálcio, que é benéfico para os ossos e dentes, fósforo, potássio, que controla a pressão arterial, carboidratos, que são fontes de energia, fibras, que melhoram o trânsito intestinal, e carotenoides, que são bons para a pele. 

Os benefícios à saúde humana são muitos. A papaína presente no mamão auxilia no processo digestivo. Os demais componentes do mamão auxiliam no processo anti-inflamatório, antioxidante, nutritivo, digestivo, diurético, emoliente, laxante, refrescante e oxidante. Sem dúvida é importante incluir mamão no café da manhã ou na sobremesa, não acham? 

A maneira que eu indico para consumir o mamão é na forma natural da fruta, mas ele também pode ser consumido em vitaminas, sorvetes e compotas. 

Se você apresenta prisão de ventre, você tem mais um motivo para incluir mamão na dieta, pois a fibra presente no mamão auxilia no funcionamento do intestino, melhorando o trânsito intestinal. 

Para se beneficiar de tudo o que o mamão tem para oferecer, recomenda-se consumir uma fatia por dia do mamão formosa ou 1/2 mamão papaia. Em média 100 gramas de mamão possuem 50 calorias.

Curiosidades sobre o mamão

O mamão é originário da América tropical, onde era cultivado antes da chegada dos espanhóis. Os índios enrolavam a carne nas folhas do mamoeiro afim de obter uma carne macia. Quando o mamão está verde, ele deve ser embrulhado em jornal e mantido em lugar freso e escuro. Ao riscar o fruto longitudinalmente, a maturação do fruto acontece mais rapidamente, uma vez que as incisões eliminam em grande porção o látex contido na fruta, essa técnica pode alterar o sabor da fruta, pois o látex contém substâncias nutritivas que ajudam a melhorar o sabor. A Papaína, presente no mamão, é uma enzima digestiva reconhecida como superior a pepsina, que encontramos em nosso estômago, tem ação no meio ácido, neutro ou alcalino. É utilizada para alívio nos casos de indigestão aguda e como anti-inflamatório. A carpaína, também presente no mamão, é um alcaloide que, em conjunto com a papaína, atua sobre o líquido biliar, facilitando a digestão da carne e outros alimentos pesados, melhorando o processo de digestão.

Fonte: Site Minha Vida

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Saiba o que vai te ajudar a parar de comer doce


Você já teve aquele momento em que a vontade de comer doce era maior que tudo? Você não está sozinho! Quando alimentos ricos em gordura, açúcar ou cafeína são ingeridos em excesso, áreas do cérebro responsáveis pelo vício são ativadas. No caso dos doces, quem gosta muito desse tipo de alimento tem o cérebro 'viciado’ nos circuitos de prazer que ele ativa. Contudo, algumas pessoas são compulsivas e podem não perceber.

Mas como saber se há esse vício? Para descobrir, recomenda-se ficar um dia inteiro sem comer doce. Se notar irritabilidade, nervosismo e ansiedade você pode estar apresentando os primeiros sinais de compulsão.

O problema é que, quanto mais vontade de comer doce, mais ocorre a procura por alimentos ricos em açúcar para sentir a sensação de prazer, diminuir a ansiedade e saciar o vício, formando um ciclo vicioso. A compulsão surge porque após ingerir uma guloseima, por exemplo, o cérebro libera substâncias químicas naturais que dão sensação de imenso prazer. Ao reconhecer esta sensação boa, o cérebro começa a pedir mais açúcar.


Alguns alimentos podem ajudar a reduzir essa vontade por doces, por possuírem nutrientes específicos que ajudam a controlar essa vontade, alguns deles são:
  • Alimentos ricos em fibras: frutas com cascas, arroz integral, vegetais, folhosos. Esses alimentos ofertam fibras que aumentam a flora intestinal benéfica do organismo, promovendo saciedade e melhora no intestino.
  • Oleaginosas: em quantidades moderadas, são fontes de lipídios que previnem doenças e auxiliam na redução da compulsão por doces, inclusive o amendoim.
  • Frutas: banana e frutas cítricas são algumas que auxiliam na redução do estresse e consequentemente no consumo de doces e guloseimas.
  • Carnes: principalmente peixe e carnes magras, como o peru, são boas fontes de triptofano, constituem aliadas na resistência ao açúcar.

Além disso, atentos com a sua saúde separamos algumas outras dicas para você não mais cair nesse vício por doces:
  • Fique longe das tentações - ao fazer o supermercado evite comprar alimentos industrializados e açucarados. Livre-se de bolos, sorvetes e biscoitos, assim o acesso em casa será mais difícil.
  • Troque doces e açúcar por frutas - o corpo digere açúcares de frutas de um jeito específico e diferente da forma como digere o açúcar de mesa comum. As frutas contêm fibras, vitaminas e minerais e, quando consumidas em moderação, ajudam a contra-atacar os efeitos metabólicos da frutose e da glicose. 
  • Leia os rótulos - você pode se surpreender ao aprender quanto açúcar há nos alimentos que consome. O perigo está principalmente nos açúcares ocultos de alimentos industrializados que não ofertam nenhum nutriente importante para o nosso corpo, além de estimular a engordar e provocar cáries. É preciso estar atento também ao conteúdo de açúcar dos produtos, isso pode ajudá-lo a evitar alimentos altamente açucarados, livrando-o do vício.

Fonte: Site Bolsa de Mulher
© Blog da Magda Vieira - 2013. Todos os direitos reservados.
Criado por: Giovanna Lacerda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo