Blog da Magda Vieira; Nutrição, Saúde e Bem-Estar

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

WHEY PROTEIN: O QUE É E PARA QUE SERVE?

A proteína do soro do leite, também chamada de whey protein, é hoje um dos mais conhecidos suplementos alimentares para ganho de massa muscular. Ela é um conjunto de frações proteicas solúveis encontradas no leite, obtida através da extração da porção aquosa do leite (soro) gerada durante o processo de fabricação do queijo. O suplemento whey protein possui excelente valor nutricional, por conter alto teor de aminoácidos essenciais, principalmente os de cadeia ramificada, também chamados de BCAAs – valina, leucina e isoleucina.Whey protein também é fonte de glutamina, aminoácido altamente indicado em casos de imunidade baixa e dietas de hipertrofia.

Por ser uma proteína de alto valor biológico, ou seja, que possui todos os aminoácidos essenciais em proporção adequada às necessidades humanas, o whey é uma proteína indicada para todos os casos em que possa ser necessário um maior aporte proteico: 
  • aumento de massa muscular; 
  • gastroplastias e demais pós-cirúrgicos; 
  • aumento da imunidade;
  • recuperação de hipoalbuminemia; 
  • reposição de aminoácidos; 
  • Outras condições clínicas específicas. 
Componentes do soro do leite:

Os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs) são os principais aminoácidos que compõem o whey protein. Eles podem estar relacionados a uma menor fadiga em exercícios extenuantes, por atrapalhar a síntese de serotonina durante o exercício (neurotransmissor calmante que pode estar relacionado à fadiga central). Contudo, esse não é um consenso entre os estudiosos. Além disso, os BCAAs estão relacionados à manutenção de glutamina no sangue pós-exercício, diminuindo a imunossupressão causada pelo estresse físico. Por fim, BCAAs auxiliam na produção de energia durante o exercício, já que parte deles é oxidada pelo músculo esquelético para produzir ATP.


O soro do leite também apresenta peptídeos bioativos, como: 
  • Beta-lactoglobulina (B-Lg): peptídeo presente em maior quantidade no soro do leite (45-57%). Apresenta resistência a ácidos e enzimas presentes no estômago, o que favorece sua rápida absorção intestinal. É o peptídeo com maior teor de BCAA. 
  • Alfa-lactoalbumina (ALA): segundo peptídeo presente em maior quantidade no soro do leite (15-25% do soro). Contém o maior teor de triptofano entre todas as fontes proteicas alimentares. A ALA possui a capacidade de se ligar a certos minerais, como cálcio e zinco, o que pode afetar positivamente sua absorção. Além disso, a fração ALA apresenta atividade antimicrobiana contra bactérias patogênicas, como, por exemplo, Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Klebsiella pneumoniae.
whey protein
Whey protein também possui: 
  • Albumina do soro bovino (BSA): corresponde a 10% das proteínas do soro do leite. É rica em cisteína, um importante precursor de glutationa, fundamental para o sistema de defesa antioxidante. 
  • Imunoglobulinas (Ig’s): atuam melhorando a imunidade passiva e também possuem atividade antioxidante. Quatro das cinco classes das Ig’s estão presentes no leite bovino (IgG, IgA, IgM e IgE), sendo a IgG a principal (cerca de 80% do total). 
  • Glicomacropeptídeos (GMP): melhoram a absorção de minerais pelo epitélio intestinal, por apresentarem alta carga negativa. Também ajudam na supressão do apetite, pois estimulam o pâncreas a liberar o hormônio CCK (colecistoquinina), um dos responsáveis pela supressão do apetite a nível gástrico! Atuam também como prebióticos. 
  • Glutamina: aminoácido presente no soro do leite, é considerada um ”imunonutriente”, pois estimula as respostas imunológicas, tendo atuação imunomoduladora através da reparação dos tecidos e estimulação da produção de imunoglobulinas. A glutamina é utilizada em alta taxa pelos linfócitos, mesmo em estado de repouso, e essa taxa aumenta se os linfócitos forem ativados. Em relação à prática de exercícios e o ganho de massa muscular, é muito utilizada por praticantes de musculação por ser o aminoácido mais abundante no sangue e nos tecidos, principalmente nos músculos. Em humanos, a glutamina representa cerca de 20% do total dos aminoácidos. 
Propriedades fisiológicas-funcionais relacionadas às proteínas do soro do leite 
  • Atividade física (hipertrofia muscular, metabolismo da gordura e imunomodulação) 
A capacidade de uma proteína em promover anabolismo muscular e reduzir o catabolismo muscular depende de sua digestibilidade e de sua composição em aminoácidos. O perfil de aminoácidos do whey protein é muito similar ao das proteínas do músculo esquelético. Os BCAA´s presentes (leucina, isoleucina e valina), que também atuam como geradores de energia, favorecem a recuperação muscular e participam do processo de síntese proteica. Muitos estudos realizados com adultos e jovens suplementados com whey mostram que há significativo ganho de massa muscular nos grupos suplementados em relação aos grupos não suplementados. 
Em relação à recuperação pós-exercício e imunidade, o whey também é positivo, já que o estresse oxidativo gerado durante atividade física intensa e/ou prolongada danifica as células e tecidos e contribui para a fadiga muscular, queda da performance e aparecimento de problemas de saúde. Pesquisas também mostram que o whey protein tem a capacidade de promover o fortalecimento da imunidade, pois é rica em cisteína, a qual aumenta a produção de glutationa, que é peça importante do sistema imune e de defesa antioxidante do organismo. A glutationa inibe a ação de agentes oxidantes, melhorando a potência e o rendimento durante a atividade física, além de manter a saúde e prevenir doenças. 
Por fim, alguns estudos mostram que as proteínas do soro do leite também podem favorecer a redução de gordura corporal através dos seguintes mecanismos: melhora da sensibilidade à insulina, que favorece a captação de glicose; redução da ação dos hormônios calcitrópicos que estimulam a lipogênese (formação de gordura); aumento dos níveis de da glutationa, responsável pela preservação da massa muscular e utilização da gordura corporal como fonte energética; elevação dos níveis dos hormônios gastrointestinais (colecistoquinina e peptídeo-1 tipo glucagon) que controlam o apetite.

whey protein
  • Atividade imunomoduladora 
As imunoglobulinas do leite permanecem quase que integralmente no soro do leite e continuam a desempenhar função importante, não somente no sistema gastrointestinal, mas sistemicamente em todo o organismo. Cientistas canadenses associaram o poder imunoestimulante das proteínas do soro do leite com a capacidade dessas proteínas em estimular a síntese de glutationa – fundamental para o sistema de defesa antioxidante. Esta, por sua vez, exerce um poder estimulatório sobre linfócitos capaz de sintetizar imunoglobulinas. Além disso, como já foi dito, o alto teor de glutamina do whey também é um imunonutriente. 
  • Atividade antimicrobiana 
Esta atividade tem sido demonstrada para as seguintes proteínas do soro: lactoferina, lactoperoxidase, alfa-lactalbumina e imunoglobulinas. A lactoferrina, bem como seu peptídio lactoferricina, inibem a proliferação e o crescimento de bactérias gran-positivas e gra-negativas, bem como leveduras, fungos e protozoários, por quelar o ferro disponível no ambiente. 
  • Atividade anticâncer 
Diversos estudos mostraram que os grupos que ingeriram dietas contendo proteínas do soro do leite não desenvolveram lesões intestinais pré-cancerígenas ou não tiveram desenvolvimento de tumores de cólon do tipo adenocarcinoma em relação ao grupo controle. Outros estudos mostraram ainda que as dietas ricas em proteínas do soro do leite são inibiram ou diminuíram o crescimento de tumores de cólon, sendo mais eficientes que a caseína.

whey protein
  • Atividade antiúlcera 
Embora o leite e os produtos lácteos tenham sido, ao longo do tempo, os alimentos preteridos por pessoas com problemas gástricos, esses efeitos têm sido atribuídos, principalmente, às gorduras do leite e à sua própria consistência física de emulsão líquida. Estudos vêm demonstrando que o whey protein e seus hidrolizados enzimáticos podem proteger a mucosa estomacal contra as agressões do etanol, inibindo as ações ulcerativas deste. O whey também está relacionado ao ciclo das prostaglandinas que, mediante ingestão do suplemento, possuem sua síntese na mucosa gástrica estimulada através do estímulo à produção de muco e de bicarbonato, que formam uma camada protetora da mucosa contra ulcerações. 
  • Proteção ao sistema cardiovascular 
Algumas pesquisas evidenciaram efeito positivo das proteínas de soro do leite na redução dos níveis de triglicérides e do colesterol sanguíneo e/ou hepático. Pesquisa recente mostrou que, comparada com a dieta de caseína, a dieta com proteína de soro do leite provocou uma redução no colesterol total e do HDL-colesterol sanguíneo. Outro aspecto das proteínas de soro do leite que pode contribuir para a saúde cardiovascular, está relacionado à descoberta de que a hidrólise enzimática de algumas dessas proteínas liberam peptídeos com ação hipotensora ou anti-hipertensiva. Por fim, as proteínas do soro do leite podem exercer vários efeitos benéficos sobre o sistema cardiovascular graças às suas propriedades redutoras, sequestrantes de radicais livres – que são também inibidores da lipoxidação das lipoproteínas e artérias. Peptídeos derivados da lactoferrina mostraram atividade anticoagulantes, inibindo a agregação de plaquetas.


Fonte: Site Supleforma

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Blog da Magda Vieira - 2013. Todos os direitos reservados.
Criado por: Giovanna Lacerda.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo